ATIVIDADES EM LIBRAS REALIZADAS EM SALA DE AULA NO ENSINO FUNDAMENTAL EM TURMAS BILÍNGUE COM ALUNOS SURDOS.


Seja bem vindo ao meu blog.
Neste espaço, você poderá conhecer atividades adaptadas para Educação de Surdos. Além disso, você terá oportunidade de conhecer um pouco mais sobre meu trabalho. Lembrando que todas as atividades aqui postadas são criadas, adaptadas ou reelaboradas por By Educando surdos. Espero de coração poder auxiliar os profissionais que possuem dificuldades de encontrar materiais para sua pratica pedagógica com educandos (alunos) surdos.

Ola Pessoal!!!

Bom Ano Novo para todos (as) visitantes.

Ande sumida, pois outras atividades, tomaram muito do meu tempo, mas para 2017 estarei mais presente e com novas atividades, abraços

sábado, 19 de novembro de 2011

DECRETO Nº 7.611, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2011.

Presidência da República
Casa CivilSubchefia para Assuntos Jurídicos
Dispõe sobre a educação especial, o atendimento educacional especializado e dá outras providências.
A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos IV e VI, alínea “a”, da Constituição, e tendo em vista o disposto no art. 208, inciso III, da Constituição, arts. 58 a 60 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, art. 9o, § 2o, da Lei no 11.494, de 20 de junho de 2007, art. 24 da Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e seu Protocolo Facultativo, aprovados por meio do Decreto Legislativo no 186, de 9 de julho de 2008, com status de emenda constitucional, e promulgados pelo Decreto no 6.949, de 25 de agosto de 2009,
DECRETA:
Art. 1o O dever do Estado com a educação das pessoas público-alvo da educação especial será efetivado de acordo com as seguintes diretrizes:
I - garantia de um sistema educacional inclusivo em todos os níveis, sem discriminação e com base na igualdade de oportunidades;
II - aprendizado ao longo de toda a vida;
III - não exclusão do sistema educacional geral sob alegação de deficiência;
IV - garantia de ensino fundamental gratuito e compulsório, asseguradas adaptações razoáveis de acordo com as necessidades individuais;
V - oferta de apoio necessário, no âmbito do sistema educacional geral, com vistas a facilitar sua efetiva educação;
VI - adoção de medidas de apoio individualizadas e efetivas, em ambientes que maximizem o desenvolvimento acadêmico e social, de acordo com a meta de inclusão plena;
VII - oferta de educação especial preferencialmente na rede regular de ensino; e
VIII - apoio técnico e financeiro pelo Poder Público às instituições privadas sem fins lucrativos, especializadas e com atuação exclusiva emeducação especial.
§ 1o Para fins deste Decreto, considera-se público-alvo da educação especial as pessoas com deficiência, com transtornos globais do desenvolvimento e com altas habilidades ou superdotação.
§ 2o No caso dos estudantes surdos e com deficiência auditiva serão observadas as diretrizes e princípios dispostos no Decreto no 5.626, de 22 de dezembro de 2005.
Art. 2o A educação especial deve garantir os serviços de apoio especializado voltado a eliminar as barreiras que possam obstruir o processo de escolarização de estudantes com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades ou superdotação.
§ 1º Para fins deste Decreto, os serviços de que trata o caput serão denominados atendimento educacional especializado, compreendido como o conjunto de atividades, recursos de acessibilidade e pedagógicos organizados institucional e continuamente, prestado das seguintes formas:
I - complementar à formação dos estudantes com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento, como apoio permanente e limitado no tempo e na frequência dos estudantes às salas de recursos multifuncionais; ou
II - suplementar à formação de estudantes com altas habilidades ou superdotação.
§ 2o O atendimento educacional especializado deve integrar a proposta pedagógica da escola, envolver a participação da família para garantir pleno acesso e participação dos estudantes, atender às necessidades específicas das pessoas público-alvo da educação especiale ser realizado em articulação com as demais políticas públicas.
Art. 3o São objetivos do atendimento educacional especializado:
I - prover condições de acesso, participação e aprendizagem no ensino regular e garantir serviços de apoio especializados de acordo com as necessidades individuais dos estudantes;
II - garantir a transversalidade das ações da educação especial no ensino regular;
III - fomentar o desenvolvimento de recursos didáticos e pedagógicos que eliminem as barreiras no processo de ensino e aprendizagem; e
IV - assegurar condições para a continuidade de estudos nos demais níveis, etapas e modalidades de ensino.
Art. 4o O Poder Público estimulará o acesso ao atendimento educacional especializado de forma complementar ou suplementar ao ensino regular, assegurando a dupla matrícula nos termos do art. 9o-A do Decreto no 6.253, de 13 de novembro de 2007.
Art. 5o A União prestará apoio técnico e financeiro aos sistemas públicos de ensino dos Estados, Municípios e Distrito Federal, e a instituições comunitárias, confessionais ou filantrópicas sem fins lucrativos, com a finalidade de ampliar a oferta do atendimento educacional especializado aos estudantes com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades ou superdotação, matriculados na rede pública de ensino regular.
§ 1o As instituições comunitárias, confessionais ou filantrópicas sem fins lucrativos de que trata o caput devem ter atuação na educação especial e serem conveniadas com o Poder Executivo do ente federativo competente.
§ 2o O apoio técnico e financeiro de que trata o caput contemplará as seguintes ações:
I - aprimoramento do atendimento educacional especializado já ofertado;
II - implantação de salas de recursos multifuncionais;
III - formação continuada de professores, inclusive para o desenvolvimento da educação bilíngue para estudantes surdos ou com deficiência auditiva e do ensino do Braile para estudantes cegos ou com baixa visão;
IV - formação de gestores, educadores e demais profissionais da escola para a educação na perspectiva da educação inclusiva, particularmente na aprendizagem, na participação e na criação de vínculos interpessoais;
V - adequação arquitetônica de prédios escolares para acessibilidade;
VI - elaboração, produção e distribuição de recursos educacionais para a acessibilidade; e
VII - estruturação de núcleos de acessibilidade nas instituições federais de educação superior.
§ 3o As salas de recursos multifuncionais são ambientes dotados de equipamentos, mobiliários e materiais didáticos e pedagógicos para a oferta do atendimento educacional especializado.
§ 4o A produção e a distribuição de recursos educacionais para a acessibilidade e aprendizagem incluem materiais didáticos e paradidáticos em Braille, áudio e Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS, laptops com sintetizador de voz, softwares para comunicação alternativa e outras ajudas técnicas que possibilitam o acesso ao currículo.
§ 5o Os núcleos de acessibilidade nas instituições federais de educação superior visam eliminar barreiras físicas, de comunicação e de informação que restringem a participação e o desenvolvimento acadêmico e social de estudantes com deficiência.
Art. 6o O Ministério da Educação disciplinará os requisitos, as condições de participação e os procedimentos para apresentação de demandas para apoio técnico e financeiro direcionado ao atendimento educacional especializado.
Art. 7o O Ministério da Educação realizará o acompanhamento e o monitoramento do acesso à escola por parte dos beneficiários do benefício de prestação continuada, em colaboração com o Ministério da Saúde, o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome e a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República.
Art. 8o O Decreto nº 6.253, de 2007, passa a vigorar com as seguintes alterações:
“Art. 9º-APara efeito da distribuição dos recursos do FUNDEB, será admitida a dupla matrícula dos estudantes da educação regular da rede pública que recebem atendimento educacional especializado.
§ 1o A dupla matrícula implica o cômputo do estudante tanto na educação regular da rede pública, quanto no atendimento educacional especializado.
§ 2o O atendimento educacional especializado aos estudantes da rede pública de ensino regular poderá ser oferecido pelos sistemas públicos de ensino ou por instituições comunitárias, confessionais ou filantrópicas sem fins lucrativos, com atuação exclusiva na educação especial, conveniadas com o Poder Executivo competente, sem prejuízo do disposto no art. 14.” (NR)
“Art. 14. Admitir-se-á, para efeito da distribuição dos recursos do FUNDEB, o cômputo das matrículas efetivadas na educação especial oferecida por instituições comunitárias, confessionais ou filantrópicas sem fins lucrativos, com atuação exclusiva na educação especial, conveniadas com o Poder Executivo competente.
§ 1o Serão consideradas, para a educação especial, as matrículas na rede regular de ensino, em classes comuns ou em classes especiais de escolas regulares, e em escolas especiais ou especializadas.
§ 2o O credenciamento perante o órgão competente do sistema de ensino, na forma do art. 10, inciso IV e parágrafo único, e art. 11, inciso IV, da Lei no 9.394, de 1996, depende de aprovação de projeto pedagógico.” (NR)
Art. 9o As despesas decorrentes da execução das disposições constantes deste Decreto correrão por conta das dotações próprias consignadas ao Ministério da Educação.
Art. 10. Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação.
Brasília, 17 de novembro de 2011; 190o da Independência e 123o da República.
DILMA ROUSSEFF
Fernando Haddad
Este texto não substitui o publicado no DOU de 18.11.2011 (grifo nosso)

BREVE COMENTÁRIO:
Considerando a vigente Convenção da ONU sobre os direitos das pessoas com deficiencia, que hoje é parte da nossa Constituição Federal, vamos ter:

Artigo 24
Educação
1. Os Estados Partes reconhecem o direito das pessoas com deficiência à educação. Para efetivar esse direito sem discriminação e com base na igualdade de oportunidades, os Estados Partes assegurarão sistema educacional inclusivo em todos os níveis, bem como o aprendizado ao longo de toda a vida, com os seguintes objetivos:
a. O pleno desenvolvimento do potencial humano e do senso de dignidade e auto-estima, além do fortalecimento do respeito pelos direitos humanos, pelas liberdades fundamentais e pela diversidade humana;
b. O máximo desenvolvimento possível da personalidade, dos talentos e da criatividade das pessoas com deficiência, assim como de suas habilidades físicas e intelectuais;
c. A participação efetiva das pessoas com deficiência em uma sociedade livre.
2. Para a realização desse direito, os Estados Partes assegurarão que:
a. As pessoas com deficiência não sejam excluídas do sistema educacional geral sob alegação de deficiência e que as crianças com deficiência não sejam excluídas do ensino primário gratuito e compulsório ou do ensino secundário, sob alegação de deficiência;
b. As pessoas com deficiência possam ter acesso ao ensino primário inclusivo, de qualidade e gratuito, e ao ensino secundário, em igualdade de condições com as demais pessoas na comunidade em que vivem;
c. Adaptações razoáveis de acordo com as necessidades individuais sejam providenciadas;
d. As pessoas com deficiência recebam o apoio necessário, no âmbito do sistema educacional geral, com vistas a facilitar sua efetiva educação;
e. Medidas de apoio individualizadas e efetivas sejam adotadas em ambientes que maximizem o desenvolvimento acadêmico e social, de acordo com a meta de inclusão plena.
3. Os Estados Partes assegurarão às pessoas com deficiência a possibilidade de adquirir as competências práticas e sociais necessárias de modo a facilitar às pessoas com deficiência sua plena e igual participação no sistema de ensino e na vida em comunidade. Para tanto, os Estados Partes tomarão medidas apropriadas, inclusive:
a. Tornando disponível o aprendizado do Braille, escrita alternativa, modos, meios e formatos de comunicação aumentativa e alternativa, e habilidades de orientação e mobilidade, além de facilitação de apoio e aconselhamento de pares;
b. Tornando disponível o aprendizado da língua de sinais e promoção da identidade lingüística da comunidade surda;
c. Garantindo que a educação de pessoas, em particular crianças cegas, surdocegas e surdas, seja ministrada nas línguas e nos modos e meios de comunicação mais adequados ao indivíduo e em ambientes que favoreçam ao máximo seu desenvolvimento acadêmico e social.
4. A fim de contribuir para o exercício desse direito, os Estados Partes tomarão medidas apropriadas para empregar professores, inclusive professores com deficiência, habilitados para o ensino da língua de sinais e/ou do Braille, e para capacitar profissionais e equipes atuantes em todos os níveis de ensino. Essa capacitação incorporará a conscientização da deficiência e a utilização de modos, meios e formatos apropriados de comunicação aumentativa e alternativa, e técnicas e materiais pedagógicos, como apoios para pessoas com deficiência.
5. Os Estados Partes assegurarão que as pessoas com deficiência possam ter acesso ao ensino superior em geral, treinamento profissional de acordo com sua vocação, educação para adultos e formação continuada, sem discriminação e em igualdade de condições. Para tanto, os Estados Partes assegurarão a provisão de adaptações razoáveis para pessoas com deficiência. (grifo nosso)
 
 
 

Um comentário:

  1. Estou cursando a Faculdade de Letras e estou fazeno um pré projeto sobre LIBRAS, ou melhor a ausência dessa disciplina na formação do professor. E o seu blog me auxiliou bastante sobre o assunto. Muito obrigada!

    ResponderExcluir

Comente...né!!!

COMO ADQUIRIR AS APOSTILAS

Você não pode deixar de adquirir a Apostila

Nessas apostilas você poderá contar com atividades adaptadas com LIBRAS. Por apenas R$20,00 cada apostila, você terá material para estimular seus alunos surdos em sala de aula, você não pode perder!


A apostila será enviada por email.


COMO COMPRAR:



Você pode comprar através de Depósito Bancário/ Transferência/ DOC para:



BANCO CAIXA ECONOMICA

AGÊNCIA: 1897

CONTA: 56362-8

OPERAÇÃO: 013

Laura Dias de Souza Serpa, será a nome que deverá sair no recibo,ok
Depois de fazer o Depósito/Transferência/DOC, você deve enviar o comprovante (foto, scanner, etc.) e informar por email (diaslibras@yahoo.com.br) seu dados e os dados do comprovante.
OBSERVAÇÃO: A apostila somente será enviada ao seu email após a compensação bancária dos depósitos realizados com envelopes nos terminais, cheques e DOC.

COMO COMPRAR AS APOSTILAS

COMO COMPRAR AS APOSTILAS

Baixar e instalar a fonte de LIBRAS para depois escrever as palavras com as "mãozinhas".

Baixar e instalar a fonte de LIBRAS para depois escrever as palavras com as "mãozinhas".
Fonte Alfabeto Manual

Apostilas para Auxilio da Educação de Surdos.Click em cima para abaixar

Livros para Auxilio da Educação de Surdos Click em cima para abaixar.

Livros Interessantes. Click em cima para abaixar

LIVROS PARA ESTUDOS. Click em cima para abaixar.

IESDE - LIBRAS - Capacitação - 120 horas

IESDE - LIBRAS - Capacitação - 120 horas
Cursos de Libras - online O Curso Básico de Libras é indicado para intérpretes, tradutores, professores, pedagogos, ouvintes, surdos e todos os interessados na Língua Brasileira de Sinais.Aprenda de uma forma prazerosa e divertida! Assista ao lado a um demonstrativo do Curso Básico de Libras do IESDE.

LIBRAS E SAÚDE

LIBRAS E SAÚDE
Disponibilizar para meus alunos e intérpretes de Libras o vocabulário relacionado à área da saúde. Faremos uso de vídeos e imagens que apresentem sinais do contexto de atendimento médico e hospitalar.

O MUNDO ENCANTADO EM LIBRAS

O MUNDO ENCANTADO EM LIBRAS
O mundo encantado em libras nasceu a partir da vontade de levar os contos em libras, músicas infantis e narração de histórias para os mais diversos profissionais em contato com crianças surdas a fim de contribuir com seu trabalho. As professoras Neiva e Vânia de Aquino desenvolveram pesquisas de sinais de personagens de histórias, das atividades sobre teatro-narrativa e a arte de contar histórias em libras.

Jogos em português e Libras...

Jogos em português e Libras...
O site multi-trilhas é um material educativo, desenvolvido por pesquisadores do Laboratório de Pedagogia do Design, LPD e teve a parceria do INES - Instituto Nacional de Educação de Surdos do Rio de Janeiro. O site foi desenvolvido no ano de 2007, oferecendo várias atividades:

Jogo online do Roda Roda

Jogo online do Roda Roda
Versão online do jogo do programa Roda a Roda do Silvio Santos. Achei bem interessante o jogo... Primeiro leia as instruções COMO JOGAR. Vamos experimentar...no blog http://projetoinfo.blogspot.com/search/label/Software

DICAS PARA BLOG

Dois Mundos

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

O Valor de Ser Educador

Ser transmissor de verdades, de inverdades...

Ser cultivador de amor, de amizades.

Ser convicto de acertos, de erros.

Ser construtor de seres, de vidas.

Ser edificador.

Movido por impulsos, por razão, por emoção.

De sentimentos profundos,

que carrega no peito o orgulho de educar.

Que armazena o conhecer.

Que guarda no coração, o pesar

de valores essenciais para a felicidade dos “seus”.

Ser conquistador de almas.

Ser lutador, que enfrenta agruras,

mas prossegue, vai adiante realizando sonhos,

buscando se auto-realizar,

atingir sua plenitude humana.

Possuidor de potencialidades.

Da fraqueza, sempre surge a força.

Fazendo-o guerreiro.

Ser de incalculável sabedoria!

Pois “o valor da sabedoria é melhor que o de rubis”.

É...Esse é o valor de ser educador.

Loading...

INCLUIR

INCLUIR