ATIVIDADES EM LIBRAS REALIZADAS EM SALA DE AULA NO ENSINO FUNDAMENTAL EM TURMAS BILÍNGUE COM ALUNOS SURDOS.
Seja bem vindo ao meu blog.
Neste espaço, você poderá conhecer atividades adaptadas para Educação de Surdos. Além disso, você terá oportunidade de conhecer um pouco mais sobre meu trabalho. Lembrando que todas as atividades aqui postadas são criadas, adaptadas ou reelaboradas por By Educando surdos. Espero de coração poder auxiliar os profissionais que possuem dificuldades de encontrar materiais para sua pratica pedagogica com educandos (alunos) surdos.

sábado, 15 de outubro de 2011

Uma Simples Homenagem a Vocês Professores


Parabéns para Vocês PROFESSORES

Mensagem em slide-show. Aguarde carregar

Professora da rede é destaque em seminário de Inclusão Educacional

Professora da rede é destaque em seminário de Inclusão Educacional

A professora Laura Serpa, do CEI Sementinha, foi destaque no 1º Seminário de Inclusão Educacional da Pessoa Surda e Surda-Cega realizado em Mogi das Cruzes (São Paulo), ao ser convidada para realizar a palestra "O Aprendizado do Educando Surdo". Baseou-se no processo de letramento chamado bilingüismo, que está sendo aplicado em um aluno surdo do CEI Sementinha. Além disso, também foram abordados temas relacionados como as adaptações realizadas no CEI, bem como a inclusão dos alunos surdos em séries iniciais da rede municipal de ensino.

O tema central do seminário foi refletir sobre a formação e acompanhamento do trabalho realizado com os alunos surdos e surdo-cego, com vistas ao acesso e uma comunicação efetiva, no entendimento das questões ligadas à cultura surda; às políticas e práticas educacionais inclusivas; didáticas ao perfil dos profissionais intérpretes; professores bilíngüe; instrutores e profissionais da LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais).
A palestra se baseou no processo de letramento chamado bilingüismo, que está sendo aplicado em um aluno surdo do CEI Sementinha" .
Também abordaram a acessibilidade no que no tange à comunicação, a necessidade de estruturação da legalização da LIBRAS e as informações sobre a situação atual da mesma nas escolas da região do Alto do Tietê.


Contato imprensa:

Ângela Domingues
Assessoria de Comunicação
Secretaria de Educação
(47) 3431.3014 / 8818.1928

Literatura em Libras estimula inclusão e desenvolvimento de crianças surdas

12/10/2011 14h38 - Atualizado em 12/10/2011 16h37

Histórias impressas e vídeos em Libras instigam memória e vocabulário.
"Realfabetização" dos pais é importante para a criança se sentir acolhida.

Fernanda Brescia Do G1 MG
Com quatro anos, Fabrizzio Castro já sabe ler, escrever e chama a atenção como contador de histórias. A mãe dele, Fernanda Soares, credita o desenvolvimento ao intenso contato da criança com literatura. O menino, que é surdo desde o nascimento, é apaixonado por livros e DVDs infantis e chega a pedir os artigos como presente em datas comemorativas ao invés de brinquedos.
"Ele prefere livros a carrinhos", diz Cláudia Soares, avó de Fabrízzio Castro (Foto: Fernanda Brescia/G1) 
"Ele prefere livros a carrinhos", diz Cláudia Soares, avó de Fabrízzio Castro (Foto: Fernanda Brescia/G1)
Histórias em formato impresso ou digital estimulam o vocabulário e o ganho de habilidades para crianças surdas. As narrativas traduzidas ou adaptadas para a Linguagem Brasileira de Sinais (Libras) são ainda mais indicadas, segundo especialistas. Para a professora e coordenadora do Núcleo de Libras da Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Elideia Bernadino, o contato com a Libras deve ser incentivado desde cedo. “O quanto antes [a criança] tiver contato com a Libras, melhor pra ela, porque vai ajudar no desenvolvimento cognitivo e ela vai adquirir uma língua cedo. O aprendizado da Libras não vai interferir no aprendizado do português”, afirma.
Ainda segundo a pesquisadora, as expressões corporais e faciais do intérprete que conta uma história transmitem sentimentos que ajudam na integração e no desenvolvimento das crianças da comunidade surda. “Vários surdos falam comigo: ‘português não tem emoção como a Libras’. O texto escrito é uma coisa fria para uma pessoa que não domina a língua. Na Libras, a criança sente a emoção narrada”, disse.
Fabrizzio, que é filho de surdos, teve contato com a Libras desde o nascimento. “Desde os primeiros meses, ele já é sinalizado. Ele falava ‘mamãe’ e ‘papai’ usando sinais. Hoje, ele está começando a aprender o português”, relatou a avó do menino, Cláudia Soares.
Aos quatro anos, Fabrízzio, que é filho de surdos, se comunica em Libras e está aprendendo Português (Foto: Fernanda Brescia/G1) 
Aos quatro anos, Fabrízzio, que é filho de surdos, se comunica em Libras e está aprendendo Português (Foto: Fernanda Brescia/G1)
Mãe e avó de surdos, Cláudia acompanhou a evolução da literatura deste segmento nas duas últimas décadas. “Antes não se usava Libras, era tudo oralizado”, disse. Cláudia conta que a filha dela, Fernanda Soares, sofreu muito quando era criança. “Eu lembro que eu tinha um livro da Branca de Neve. Eu mostrava, contava do meu jeito em português e ela não entendia nada. Ela era oralizada, mas não sabia nem Libras, nem português. Ela chorava porque não compreendia e eu queria que a menina falasse, né”, disse.
Segundo Cláudia, antigamente, a surdez era vista como doença e os surdos não eram acolhidos como hoje. Ela relatou que tinha 18 anos quando descobriu que a filha Fernanda, com cinco meses, era surda, mas não aceitava. “Eu teimava pra ela falar ‘copo’, mas ela não entendia. Era difícil construir uma história, uma frase”, disse. “Quando ela dominou a Libras, aos 16 anos, passou a dar significado para as coisas”, completou. “Às vezes ela me perguntava ‘o que é isto?’ e eu não conseguia passar pra ela. Com o Fabrizzio, o retorno é imediato. Tenho várias formas para mostrar para ele. A comunicação é 100%. Com a Fernanda, não chegava aos 50%”, conta.
Vários surdos falam comigo: ‘português não tem emoção como a Libras’. O texto escrito é uma coisa fria para uma pessoa que não domina a língua. Na Libras, a criança sente a emoção narrada"
Elideia Bernadino, coordenadora do
Núcelo de Libras da UFMG
Para Cláudia, o reconhecimento da Libras como língua foi importante tanto para o avanço da literatura voltada para surdos, quanto para o desenvolvimento de outras áreas do conhecimento e pesquisas. Segundo informações da Federação Nacional de Educação e Integração de Surdos (Feneis), atualmente, cerca de 3% da população brasileira apresenta algum tipo de deficiência auditiva. Em 2002, o governo federal reconheceu a Libras como a língua oficial a ser utilizada pelos surdos, por meio da Lei 10.436.
Para a pesquisadora da UFMG Elidea Bernardino, é essencial que a família da criança surda aprenda Libras para que ela se sinta incluída. “A maioria dos surdos têm pais ouvintes, 90%, 95%. Um número muito pequeno de crianças surdas tem contato com surdos no início. Assim que uma criança surda nasce, os familiares ouvintes têm que ser ‘realfabetizados’”, diz.
Neste sentido, também é importante que os pais e familiares criem estratégias para incentivar as crianças a ler e se integrar. “Conheço um pai que, para criar o gosto pela leitura, começava a ler pra ele [para o filho] e, quando a história chegava ao clímax, ele fechava o livro, entregava para o menino e falava: ‘agora, você vai ler’. Aí, ele [a criança] ia começando a ler a história toda, entendendo melhor o português, ia curioso”, contou.

Segundo Elidea, narrativas elaboradas para as crianças surdas também devem ter elementos do português para que os pais compreendam e transmitam a mensagem aos filhos. “A história geralmente é sinalizada e tem legendas para os familiares entenderem o que é falado. O objetivo é chegar ao surdo pela sinalização e não pela legenda. Por isto, até a posição da leitura é diferente, pois a criança tem que ver o rosto de quem conta”, reflete a pesquisadora.
Para ela, histórias também são importantes para o desenvolvimento de habilidades como a memória e a noção de princípio, meio e fim, essencial para a compreensão de passado, presente e futuro. Cláudia e Fernanda, avó e mãe de Fabrízzio, investem em jogos e brincadeiras. ”A memória do surdo é visual. Um quebra-cabeça com 80 peças ele [Fabrizzio] monta em segundos. No jogo da memória, então, ele ganha de qualquer um”, diz Cláudia.
"No jogo da memória, ele ganha de qualquer um", diz Cláudia Soares sobre o neto Fabrizzio (Foto: Fernanda Brescia/G1) 
"No jogo da memória, então, ele ganha de qualquer um", diz Cláudia Soares sobre o neto Fabrizzio (Foto: Fernanda Brescia/G1)
Mercado
No Brasil, o mercado literário tem crescido para atender a demanda da comunidade surda, especialmente das crianças, mas as iniciativas ainda não atendem a todos, segundo especialistas. “Me parece que ações governamentais são muito tímidas em relação a isto. Vejo que há muito barulho e pouca luz”, disse Astomiro Romais, diretor da Editora da Ulbra.
Geralmente, as narrativas publicadas por editoras são adequadas para o universo da comunidade surda. Temas como a interação entre surdos e ouvintes, a maneira como o surdo enxerga o mundo e a relação dos parentes ouvintes com o único surdo da família são recorrentes na literatura do gênero. A adaptação de livros clássicos também aparece com frequência nas prateleiras das livrarias e das videolocadoras.
Cinderela Surda perde a luvinha, ao invés do sapato de cristal (Foto: Editora da Ulbra) 
Cinderela Surda perde a luvinha, ao invés do sapato de cristal (Foto: Editora da Ulbra)
Segundo o editor-assistente da Editora da Universidade Luterana do Brasil (Ulbra), Roger Kessler, a iniciativa é inclusiva e tende a gerar aproximação entre crianças surdas e ouvintes. “A tendência tem sido esta, de lançar livros com personagens consagrados do imaginário infantil”, diz. Para o diretor da editora, Astomiro Romais, também é importante que a história tenha elementos do universo surdo. Um dos livros lançados em 2003 pela empresa, Cinderela Surda, reconta a fábula da moça que encontra o príncipe depois da meia noite e vive feliz para sempre. Neste caso, a princesa perde a luva e não o sapatinho de cristal. “A intenção é valorizar a questão da própria mão como elemento da comunicação, elemento fundamental da linguagem visual”, reflete.
A avó de Fabrizzio, Cláudia Soares, diz que o menino tem uma coleção de artigos de literatura em casa. “Fabrizzio tem muitos livros, DVDS imensos, tem histórias da Turma da Mônica em Libras, do Pinóquio. Hoje, é muito vasto o material em Libras. Há livrinhos, quebra-cabeça, dominó, jogo da memória. Então, tem muita coisa pra construir este vocabulário, este mundo da Libras”, conta. Ela diz que um dos livros do menino reconta a história dos Três Porquinhos. Na versão, quando o Lobo Mau toca a campainha, o equipamento ativa as luzes da casa para que os porquinhos surdos abram a porta, ao invés de emitir um som. Segundo ela, o garoto também tem livros não traduzidos. “Quando eu compro um livro de história comum, ele vê a gravura e quer saber se a casa é grande, pequena, qual é a cor. Ele fica olhando para a gravura e pra mim para que eu explique cada página em Libras. É tudo gestovisual”, diz.

Para Cláudia, o fato de a criança conhecer o personagem, ajuda no aumento do vocabulário e na efetividade da comunicação. “Ele conhece os personagens, sabe que o Cascão não gosta de tomar banho. Com muita certeza é aprendizado porque dali ele imagina outras histórias”, diz. (Veja, ao lado, um trecho de uma história da Turma da Mõnica em Libras).  Ela também critica a resistência das editoras a publicar narrativas inéditas. “Acho que falta capacitação em Libras”, afirma.
A Editora Arara Azul também adapta clássicos da literatura universal para a Libras e o carro-chefe do gênero na empresa são os vídeos com intérpretes que acompanham o material impresso. “Nosso foco é trazer para a língua de sinais um pouco da tradição literária da humanidade. As pessoas surdas são em sua essência biculturais, já que vivem no mundo dos ouvintes e da comunidade surda, quando possível. Assim, como qualquer criança, é importante ter contato com o mundo da imaginação”, diz a gerente editorial e de projetos da editora, Clelia Regina Ramos.
Em 2003, a editora lançou o primeiro livro da coleção digital bilíngue português/Libras, "Alice no País das Maravilhas", com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj). Acesse o site da Editora Arara Azul para ter acesso à parte da história.
Narrativa do clássico Alice no País das Maravilhas tem elementos para atender às crianças surdas e aos pais ouvintes (Foto: Editora Arara Azul) 
Narrativa do clássico Alice no País das Maravilhas tem elementos para atender às crianças surdas e aos pais ouvintes (Foto: Editora Arara Azul)
Tanto na Arara Azul quanto na Editora da Ulbra, o trabalho de “tradução” e adaptação das narrativas é feito com a participação de surdos.
O Instituto Nacional de Educação de Surdos (Ines) produz vídeos com histórias narradas por pessoas caracterizadas como os personagens. Assista a um trecho da história da Chapeuzinho Vermelho.
Família e escola
Para que as crianças surdas não sofram nenhuma defasagem, é essencial o incentivo dos familiares, segundo especialistas. “Eles têm que quebrar as barreiras da comunicação. A maioria dos pais não aprende Libras e delega para a escola a função de educação do surdo. Poucos se dedicam a buscar uma comunicação efetiva com os filhos”, diz Elidea. A pesquisadora conta que já teve que interferir no diálogo entre uma adolescente surda e a mãe dela, que não conhecia a linguagem de sinais e pediu ajuda para convencer a menina de que ela não deveria sair sozinha à noite. “Ele [o surdo] acaba ficando isolado. Normalmente, uma pessoa aprende e passa a ser o interlocutor na família. Os pais falam para o irmão traduzir”, completa.
A pedagoga e professora de nível médio Luciana Freitas coordena um curso de Libras para familiares de surdos em Belo Horizonte e diz que a maioria dos pais têm resistência para aprender a nova língua. “Eles querem que o filho fale, querem que eles ouçam. Ainda mais agora com o implante coclear, as próteses”, diz. Ela aponta a importância do esforço dos pais para que as crianças tenham a Libras como língua materna. “É importante que a criança tenha uma referência. Com seis meses, ela já vai balbuciar alguns sinais”, diz.
Eles têm que quebrar as barreiras da comunicação. A maioria dos pais não aprende Libras e delega para a escola a função de educação do surdo"
Elidea Bernardino, coordenadora
do Núcleo de Libras da UFMG
De acordo com Luciana, todos os alunos de uma instituição em que ela lecionou, tinham mais contato com Libras na escola do que em casa. Ela diz que a instituição recebia livros do Ministério da Educação (Mec). “Geralmente, a escola dá um kit para o aluno com caderno, lápis e um kit literário. Alguns livrinhos eles [os alunos] podem levar. Mas, em casa, geralmente é usada a língua oral mesmo”, falou. Ainda segundo a pedagoga, alguns dos materiais didáticos também eram integrados à biblioteca local. “Na medida do possível a gente está assistido, mas poderia ter muito mais [materiais]. Acho que é uma área nova, que está caminhando”, disse.
De acordo com o Ministério da Educação (MEC), estudantes surdos matriculados em escolas públicas recebem materiais didáticos impressos em Língua Portuguesa acompanhados por um CD em Libras. Ainda de acordo com o ministério, em 2006, 33 mil exemplares do livro didático de alfabetização acessível em Libras foram disponibilizados para as instituições do país. Em 2007 e 2008, foram distribuídos 463.710 exemplares da Coleção Pitanguá acessível em Libras (Língua Portuguesa, Matemática, Ciências, Geografia e História) para alunos dos anos iniciais do Ensino Fundamental. Em 2011, 254.712 exemplares da Coleção Porta Aberta – FTD, acessível em Libras, foram enviados às escolas, de acordo com o ministério. Exemplares do Dicionário Enciclopédico Ilustrado Trilíngue: Libras, Português e Inglês e materiais para a capacitação de professores e educadores também são disponibilizados, de acordo com o Mec.
Para Cláudia Soares, avó e mãe de surdos, ainda faltam investimentos por parte dos governos e do mercado literário para que haja aumento da divulgação e disponibilização de materiais em Libras e audiovisuais. “É uma luta, é muito esforço de estar querendo o melhor mesmo. Nossas autoridades têm que fazer mais pelos surdos. Não falo que são especiais; eles são capazes, competentes”, diz ela. “A criança surda precisa ter a língua materna dela, a Libras, numa escola regular. A gente defende a escola bilíngue, mas a gente não tem”, afirma.
Segundo dados do MEC, no ano passado, 70.823 estudantes com surdez e com deficiência auditiva foram matriculados na Educação Básica, sendo 33.372 estudantes com surdez severa e profunda e 37.451 com deficiência auditiva. Deste total, 22.249 estudantes com surdez e 30.251 com deficiência auditiva estão matriculados nas escolas comuns de ensino regular, representando um total de 52.500, ou 74%.
Nas escolas regulares, os surdos têm aulas com os alunos ouvintes e uma intérprete. Em Minas Gerais, estes estudantes contam com salas de estudos e acompanhamento de profissionais, segundo a Secretaria de Estado e Educação.
A gerente editorial e de projetos da Editora Arara Azul, Clelia Regina Ramos, ressalta que o surdo tem direito a ter todos os materiais que as outras pessoas têm traduzidos para a Libras, mas o material ainda é caro. “É trabalho com multimídia, os profissionais são caros, tem filmagem”. Ela aponta a necessidade de mais investimentos e parcerias para que o setor cresça.
(O trecho do vídeo da Turma da Mônica foi cedido pela Maurício de Souza Produções).

domingo, 9 de outubro de 2011

Participação no Seminário


È com este olhar da comissão organizadora, bem como, através da presidente da Associação de Apoio aos surdos do Alto Tietê, que foi convidada a participar deste grandioso evento, como palestrante, com o tema “O Aprendizado do Educando Surdo”. Tema este, que foi muito esperado pela maioria dos participantes inscritos no seminário.

Para se tornar parte da sociedade é necessário compreendê-la. A base para o sucesso de qualquer cidadão está na educação e isto não é diferente para as pessoas com surdez. Participar do sistema educacional é garantir a inclusão social e a igualdade de oportunidades.

Sendo sim, pude palestrar com importantes Pessoas Surdas renomada da sociedade paulistana, tais como:

·         Maria Shirley Villalva. Mestre em Lingüística/ Universidade Federal de Santa Catarina- (UFSC) - “Políticas Lingüísticas”;
·         Rimar Ramalho Segala. Mestre em Estudos da Tradução/ Universidade de Santa Catarina- UFSC – (Professor de Matemática) - “Experiências com Surdos“;
·         Sueli Ramalho Segala – Professor e Tradutor da LIBRAS - “Inclusão Familiar”;
·         INES – Sandra Alonso - “Informática Educativa“;
Entre outros que muito contribuíram para a prática pedagógica dos alunos surdos, no ensino regular e/ou em salas de escolas para surdos.


[1]  É uma língua usada pela comunidade surda brasileira. É uma língua reconhecida pela Lei 10436/2002 e  pelo Decreto 5626/2005. Essa língua é visual-espacial, ou seja, se realiza no espaço com articuladores visuais: as mãos, o corpo, os movimentos e o espaço de sinalização.
Neste evento ocorrem momentos significativos e fundamentais para os profissionais que lá estivaram em busca de conhecimento que visa a propiciar uma inclusão efetiva, cuja centralidade se refere ao educando surdo e surdo-cego e a importância da LIBRAS no contexto educacional e social.
Senti um enorme prazer, em poder esta em Mogi da Cruzes dando minha parcela de contribuição, mostrando minha pratica pedagógica na educação de Surdos na Educação Infantil e Séries Inicias, perceber que os resultados deste seminário deverá refletir, em uma mudança de postura nas situações de ensino-aprendizagem, na perspectiva de garantir que os alunos surdos aprendam os conhecimentos básicos indicados no Currículo, para que possam continuar seus estudos com sucesso.
Neste encontro, tive a oportunidade de representar o nosso CEI Sementinha, para receber o material que nos foi doado pelo Instituto Nacional da Educação de Surdos – INES, na pessoa de Sandra Alonso que também estava representado o Centro Nacional de Referência na Área da Surdez

MOMENTOS MARCANTES
As Palestrantes: Sandra (Ines), Shirley Villalva (UFSC) e Laura Serpa (eu)
Rimar Ramalho, Laura Serpa (eu) e Sueli Ramalho 




O evento contou com mais de 600 participantes



Veja os materiais recebidos do Inês para trabalhar com crianças surdas




COMO ADQUIRIR AS APOSTILAS


Você não pode deixar de adquirir a Apostila


Nessas apostilas você poderá contar com atividades adaptadas com LIBRAS. Por apenas R$20,00 cada apostila, você terá material para estimular seus alunos surdos em sala de aula, você não pode perder!


A apostila será enviada por email.


COMO COMPRAR:



Você pode comprar através de Depósito Bancário/ Transferência/ DOC para:



BANCO CAIXA ECONOMICA

AGÊNCIA: 1897

CONTA: 56362-8

OPERAÇÃO: 013

Laura Dias de Souza Serpa, será a nome que deverá sair no recibo,ok
Depois de fazer o Depósito/Transferência/DOC, você deve enviar o comprovante (foto, scanner, etc.) e informar por email (diaslibras@yahoo.com.br) seu dados e os dados do comprovante.
OBSERVAÇÃO: A apostila somente será enviada ao seu email após a compensação bancária dos depósitos realizados com envelopes nos terminais, cheques e DOC.

EU APOIO!.. E VOCÊ?

EU APOIO!.. E VOCÊ?

Baixar e instalar a fonte de LIBRAS para depois escrever as palavras com as "mãozinhas".

Baixar e instalar a fonte de LIBRAS para depois escrever as palavras com as "mãozinhas".
Fonte Alfabeto Manual

Apostilas para Auxilio da Educação de Surdos.Click em cima para abaixar

Livros para Auxilio da Educação de Surdos Click em cima para abaixar.

Livros Interessantes. Click em cima para abaixar

LIVROS PARA ESTUDOS. Click em cima para abaixar.

IESDE - LIBRAS - Capacitação - 120 horas

IESDE - LIBRAS - Capacitação - 120 horas
Cursos de Libras - online O Curso Básico de Libras é indicado para intérpretes, tradutores, professores, pedagogos, ouvintes, surdos e todos os interessados na Língua Brasileira de Sinais.Aprenda de uma forma prazerosa e divertida! Assista ao lado a um demonstrativo do Curso Básico de Libras do IESDE.

LIBRAS E SAÚDE

LIBRAS E SAÚDE
Disponibilizar para meus alunos e intérpretes de Libras o vocabulário relacionado à área da saúde. Faremos uso de vídeos e imagens que apresentem sinais do contexto de atendimento médico e hospitalar.

O MUNDO ENCANTADO EM LIBRAS

O MUNDO ENCANTADO EM LIBRAS
O mundo encantado em libras nasceu a partir da vontade de levar os contos em libras, músicas infantis e narração de histórias para os mais diversos profissionais em contato com crianças surdas a fim de contribuir com seu trabalho. As professoras Neiva e Vânia de Aquino desenvolveram pesquisas de sinais de personagens de histórias, das atividades sobre teatro-narrativa e a arte de contar histórias em libras.

Jogos em português e Libras...

Jogos em português e Libras...
O site multi-trilhas é um material educativo, desenvolvido por pesquisadores do Laboratório de Pedagogia do Design, LPD e teve a parceria do INES - Instituto Nacional de Educação de Surdos do Rio de Janeiro. O site foi desenvolvido no ano de 2007, oferecendo várias atividades:

Jogo online do Roda Roda

Jogo online do Roda Roda
Versão online do jogo do programa Roda a Roda do Silvio Santos. Achei bem interessante o jogo... Primeiro leia as instruções COMO JOGAR. Vamos experimentar...no blog http://projetoinfo.blogspot.com/search/label/Software

DICAS PARA BLOG

Dois Mundos

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

O Valor de Ser Educador

Ser transmissor de verdades, de inverdades...

Ser cultivador de amor, de amizades.

Ser convicto de acertos, de erros.

Ser construtor de seres, de vidas.

Ser edificador.

Movido por impulsos, por razão, por emoção.

De sentimentos profundos,

que carrega no peito o orgulho de educar.

Que armazena o conhecer.

Que guarda no coração, o pesar

de valores essenciais para a felicidade dos “seus”.

Ser conquistador de almas.

Ser lutador, que enfrenta agruras,

mas prossegue, vai adiante realizando sonhos,

buscando se auto-realizar,

atingir sua plenitude humana.

Possuidor de potencialidades.

Da fraqueza, sempre surge a força.

Fazendo-o guerreiro.

Ser de incalculável sabedoria!

Pois “o valor da sabedoria é melhor que o de rubis”.

É...Esse é o valor de ser educador.

Cartilha de Acesso aos Deficientes

Materiais Pedagogicos Adaptados

Cartilha sobre Deficiencia

AMO LIBRAS

AMO LIBRAS

vida em libras

vida em libras

1

1
Loading...

INCLUIR

INCLUIR